Viasat e 19Labs levam assistência médica para comunidades carentes

A plataforma aprimorada de telemedicina aumenta o acesso e a qualidade do atendimento; objetivo é expandir o projeto em todo o mundo

vs-b006-satellite-based-telehealth-image.jpg

A Viasat ajuda milhões de pessoas a trabalhar, fazer compras e se comunicar com família e amigos on-line. Agora, também leva acesso a telemedicina que salva vidas para comunidades de difícil acesso no mundo todo.

Em parceria com a especialista em telemedicina 19Labs, a Viasat conecta quem mora nessas comunidades a médicos e equipes de saúde, eliminando a necessidade de percorrer longas distâncias em busca de atendimento. O serviço não apenas oferece os cuidados necessários a quem precisa, mas também economiza tempo e dinheiro de pacientes, profissionais de saúde e governos.

“É literalmente uma mudança de vida para essas comunidades”, diz Craig Noonan, consultor executivo sênior da divisão global de serviços de telemedicina da Viasat. “E é uma vitória para todos. Estamos aproveitando a tecnologia não só para melhorar vidas, mas também tornar isso possível a um menor custo.”

A 19Labs usa redes de celular para conectar pacientes a profissionais de saúde. Mas esse tipo de rede não se estende a certos locais mais distantes e necessitados, e é aí que a internet via satélite da Viasat desempenha um papel vital. “Especialmente em áreas montanhosas e altamente remotas - que abrigam pelo menos 10% da população -, o satélite garante a conectividade confiável de que precisamos”, explica Noonan.

Até agora, a Viasat está fornecendo internet para seis clínicas em Oaxaca, no México, e na ilha de Molokai, no Havaí (EUA). Em Oaxaca, o Ministério da Saúde está trabalhando com Noonan e a 19Labs para aumentar o número de unidades atendidas em 2022.

“Temos pilotos do projeto em cinco países e nosso objetivo é fazer isso no mundo todo”, afirma Noonan. “O ViaSat-3 será fundamental nesse plano; isso nos dará conectividade acessível para atender essas áreas.”

ViaSat-3 é uma constelação de três satélites projetados para se combinarem para cobrir o planeta. O primeiro do trio tem lançamento previsto para 2022.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde, até 3,5 bilhões de pessoas - metade da população mundial - não recebem os serviços de saúde de que precisam. E 800 milhões gastam pelo menos 10% do orçamento familiar em despesas de saúde para si ou outro membro da família, despesas que colocam 100 milhões deles na extrema pobreza.

Como funciona
Embora seja uma maneira eficiente de preencher as lacunas de saúde, telemedicina é muito mais do que apenas uma videochamada. A plataforma 19Labs oferece uma experiência clínica completa para o paciente e para o médico, integrando dispositivos de diagnóstico e informações vitais em tempo real durante a consulta.

Os locais das clínicas são cuidadosamente escolhidos, geralmente em centros comunitários ou outros lugares centrais para onde as pessoas possam caminhar ou dirigir por uma distância curta. Para atender essas comunidades rurais, os médicos visitam os locais pessoalmente cerca de uma vez por mês. Ao adicionar conectividade e o 19Labs eClinic, enfermeiras ou membros treinados da comunidade estão sempre lá e podem avaliar os pacientes e mediar a consulta on-line com médicos e especialistas.

“A plataforma conecta pacientes com médicos, mas também permite que os médicos monitorem os sinais vitais em tempo real”, diz Noonan. “Estamos tirando o médico do local fisicamente, mas dando a ele todos os dados e as ferramentas necessários. Pacientes que precisam de atendimento especializado também podem ser conectados ao especialista por meio da plataforma.”

A conectividade, claro, é crucial. “A Viasat é parte integrante desta solução porque é a conectividade que torna tudo isso possível”, afirma Noonan. “A chave para implementar a telemedicina é possuir conexão estável e confiável com velocidade suficiente para transmitir vídeo.”

Em comunidades carentes, a opção remota também significa que os pacientes não precisam esperar a visita de um médico à clínica.

Oaxaca tem a maior taxa de complicações na gravidez e mortalidade infantil do México. O eClinic ajuda a fornecer às pacientes exames pré-natais e pós-parto aprofundados. Usando ultrassom, monitoramento de contração e teste de sangue, os médicos podem determinar os níveis de estresse, mudanças nas condições e outros problemas por meio da telemedicina. Se um problema for detectado, o teste preventivo permite um ganho de tempo suficiente para transportar a paciente para atendimento especializado. Os exames pós-parto do bebê também são feitos regularmente, assim como o monitoramento de informações vitais de saúde.

“Com nosso sistema, um enfermeiro ou auxiliar de saúde pode oferecer cuidados básicos para os pacientes e também se conectar a clínicos gerais ou especialistas por telemedicina, a qualquer hora da semana. Estamos aumentando o alcance e a frequência dos cuidados de saúde”, conta Noonan.

Ele também acrescenta que a telemedicina preenche lacunas criadas por duas carências: em pessoas e em financiamento. Implementar a telemedicina tem a vantagem de diminuir a pobreza de uma comunidade, que é em parte determinada pelo acesso aos cuidados de saúde. Mas, embora Noonan diga que a melhora nesses números é gratificante, sua maior satisfação é ver o efeito sobre aqueles que precisam do serviço.

“Quando falamos com as pessoas sobre o sistema, o rosto delas se ilumina. Elas sabem as carências que têm, e imediatamente abraçam e entendem o poder disso.”

“Este trabalho é estimulante e gratificante. Mas o impacto que temos nas vidas e nas comunidades é o principal.”

Alex Miller is the director of editorial at Viasat.